quinta-feira, 19 de junho de 2008

O heroísmo da Vendéia

O heroísmo da Vendéia


Após três meses de suplícios, a religião tendo sido proscrita e o Rei, imolado, surge uma exigência para que o Departamento da Vendéia se filie à corrente sediciosa, a fim de dar suporte à Revolução que se transformou em tirania. Este Departamento, que fora ligado a Jesus e a Maria por São Luís-Maria Grignion de Montfort, se revolta.


No dia 13 de março de 1793, Jacques Cathalineu toma a decisão de ir à luta. Vinte homens armados o aclamam chefe. "Sem mais esperar, Jacques prende na sua botoeira o Sagrado Coração de Jesus que costumava utilizar quando em peregrinação, pendura o rosário no cinto e dá o sinal de partida com um tiro de pistola. A grande guerra da Vendéia teve início." Simples almocreve e vendedor ambulante, sem estudos, sabendo apenas ler, deixa a esposa com seis crianças, dizendo: "Tenha confiança; Deus, para quem eu vou lutar, cuidará desses inocentes."




O marquês de Bonchamps continua na resistência e previne seus camponeses: "Pode ser que a Revolução vos poupe e que se contente em aniquilar a nobreza e o clero, deixando-vos tranqüilos com as vossas famílias. Refleti!"
"- Senhor Marquês - respondem-lhe, logo pela manhã -, nós passamos a noite em oração e eis o que decidimos: lutaremos para defender e vingar a nossa fé, o nosso rei, o clero e a nobreza.
- Mas, meus amigos - lhes diz Bonchamps -, na posição em que vos encontrais, nada conseguireis!
- Muito bem! Nós morreremos por Deus e por nosso Rei!...
- Então, estais prometendo que jamais abandonareis a vossa causa?
- Sim! - gritaram todas as vozes. - Nós juramos que jamais abandonaremos a nossa causa.
- Muito bem; agora, para aceitar, só me resta colocar a seguinte condição - conclui Bonchamps: - que vós jamais vos abandonareis às crueldades que ensangüentam as guerras civis."
Os camponeses juraram agir assim.
Então, virando-se para a sua esposa, despediu-se com esta frase: "Adeus, senhora, não aspiremos às recompensas da Terra. Estas estariam muito abaixo da santidade da nossa causa."

Nenhum comentário: