quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

A hermenêutica dos cães e dos porcos

 

Não lanceis aos cães as coisas santas, não atireis aos porcos as vossas pérolas, para que não as calquem com os seus pés, e, voltando-se contra vós, vos despedacem. Mt 7,6

O Concílio Vaticano II, foi convocado com o intuito de melhor expor a doutrina católica ao homem moderno. Mas se nós abrirmos as páginas do nosso Evangelho, não veremos essa preocupação em Jesus. Veremos sim, ele falando em parábolas para proteger a revelação de cães, lobos e porcos. Faltando está preocupação a Igreja, ela própria, pérola que é, fica desprotegida da ação nociva, destes “animais” nocivos, que acabaram sendo absorvidos no seio da Igreja, pelo culto do homem.

Na década de 1960 na Igreja Católica, reproduziu-se o mesmo efeito que a Renascença produziu em Martinho Lutero. O pseudo-reformador naquele tempo, já julgava que a raça dos cães, dos porcos e dos lobos, estava extinta, por isso deu a bíblia ao povo. Os resultados de se entregar aquilo que é santo na mão de todos, sem distinguir a quem se dava, podem ser visto em “igrejas” que fundamentaram (e fundamentam) a sua existência em fábulas ou naquilo que antes era claramente considerado heresia. Hoje por exemplo, existem “igrejas” que defendem os direitos dos homossexuais e outras coisas que nem de longe foram desejadas por Jesus. Embora os resultados da pseudo-reforma tenham sido devastadores em todos os campos de atuação da Igreja. Isto não foi o suficiente para que precauções fossem tomadas no último Concílio Ecumênico realizado na Igreja. Por um otimismo ingênuo, também acreditou-se que na década de 1960, apenas existia o homem. Cães, porcos e lobos, eram coisa apenas da magnífica Idade Média. Então conferiu-se a todos, a liberdade para se interpretar um Concílio Ecumênico e o resultado disto, podemos ver em toda Igreja, onde, seja no púlpito, na celebração da Missa, nas homílias e sermões, eles se fazem presentes. Seguiu-se a isto, o efeito óbvio de se desobedecer o Senhor (que já advertira a Igreja através de Pio XII e de sua Humani Generis*) e se dar o que é santo, a quem não deve ser dado, a “pérola” foi despedaçada pela hermenêutica da ruptura (Bento XVI) que teria gerado uma “para-ideologia” (segundo Mons. Guido Pozzo).

Pois bem, deram o que é santo a quem não devia ser dado, para melhor falar ao homem moderno. Romperam radicalmente com nosso Senhor, que não procurou inculturar o Evangelho para que cães, porcos e lobos pudessem entender (ele falou por parábolas…). Mas como na década de 1960 para o Concílio estes “animas” entre os homens estavam extintos, existindo só o homem, eles foram absorvidos no interior da Igreja. Logo em seguida se viu a obra que estavam dispostos a fazer no interior da Igreja: a sua demolição ou o despedaçamento da pérola. Isto aparece na alocução “Livrai-nos do mal” do Papa Paulo VI. Quando este falou em auto-demolição da Igreja, apenas reconheceu a obra dos cães, lobos e porcos. Não existe homens da Igreja que queiram demolí-la, o que existe são estes animais despedançando a pérola. Mas o que foi feito? E embora saltem aos olhos, a ação despedaçadora destes elementos (frutos da desobediência ao Senhor), em Roma o otimismo com relação ao homem, não cessa. Pedem nos que interpretemos o Concílio a luz da tradição e falam da hermenêutica da continuidade, como se fosse toda Igreja que devesse fazê-la. Não reconhecem a existência dos “animais” estranhos entre as ovelhas. E ainda pedem para que façamos, aquilo que compete ao magistério da Igreja fazer: tanto um quanto o outro e ao menos a interpretação do Concílio, este magistério deve proteger por DEVER DIVINO E CATÓLICO, contra a atuação dos cães e dos porcos.

Enquanto o magistério não voltar a ser o que sempre foi e tomar para si a responsabilidade de se interpretar o Concílio, os porcos continuaram tendo a liberdade para despedeçar a pérola e não saberemos o que realmente aconteceu na década de 1960. Uma coisa é certa, na década de 1960 através do culto do homem, cães, lobos e porcos, foram assumidos pela Igreja, iniciaram nela um processo de demolição e nada foi feito por parte do magistério para se conter as suas ações.

*Também é verdade que os teólogos devem sempre voltar às fontes da revelação; pois, a eles cabe indicar de que maneira "se encontra, explícita ou implicitamente" na Sagrada Escritura e na divina Tradição o que ensina o magistério vivo. Ademais, ambas as fontes da doutrina revelada contêm tantos e tão sublimes tesouros de verdade que nunca realmente se esgotarão. Por isso, com o estudo das fontes sagradas rejuvenescem continuamente as sagradas ciências; ao passo que, pelo contrário, a especulação que deixa de investigar o depósito da fé se torna estéril, como vemos pela experiência. Entretanto, isto não autoriza a fazer da teologia, mesmo da chamada positiva, uma ciência meramente histórica. Pois, junto com as sagradas fontes, Deus deu à sua Igreja o magistério vivo para esclarecer também e salientar o que no depósito da fé não se acha senão obscura e como que implicitamente. E o divino Redentor não confiou a interpretação autêntica desse depósito a cada um dos fiéis, nem mesmo aos teólogos, mas exclusivamente ao magistério da Igreja. Se a Igreja exerce esse múnus (como o tem feito com freqüência no decurso dos séculos pelo exercício, quer ordinário, quer extraordinário desse mesmo ofício), é evidentemente falso o método que pretende explicar o claro pelo obscuro; antes, pelo contrário, faz-se mister que todos sigam a ordem inversa. Eis porque nosso predecessor de imortal memória, Pio IX, ao ensinar que é dever nobilíssimo da teologia mostrar como uma doutrina definida pela Igreja está contida nas fontes, não sem grave motivo acrescentou aquelas palavras; "com o mesmo sentido com o qual foi definida pela Igreja".(3) Humani Generis - Pio XII

Nenhum comentário: