sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Últimas postagens

A demolição dos bastiões e a hermenêutica da continuidade

O facto é que, como Hans Urs von Balthasar referiu, já em 1952, (…) Ela [a Igreja] tem de renunciar a muitas das coisas que Lhe têm até agora inspirado segurança e que Ela aceitou como certas. Ela tem de demolir bastiões há muito existentes e confiar somente na protecção da Fé. Cardeal Ratzinger, Principles of Catholic Theology, p. 390 – Citado em “O derradeiro combate do demônio – Capitulo VII A demolição dos bastiões.

Para continuar lendo, clique aqui

Fátima e Assis

As questões entre Fátima e Assis

Nossa Senhora quando pede a consagração, e promete a conversão da Rússia, deseja que ela se torne um Estado Católico. O desejo dela, não é como o desejo do CVII, que desejaria a conversão (a que não se pode saber) dos russos e que a Rússia continuasse a ser, um Estado “Laico”.

Para continuar lendo, clique aqui

A FRATERNIDADE SÃO PIO X NÃO É HERÉTICA, NEM SEDEVACANTISTA, NEM CISMÁTICA"

Sim Sim Não Não

As seguintes passagens foram extraídas das declarações do cardeal Castrillón em entrevista publicada na conhecida revista mensal 30 Giomi (n° 9 - setembro 2005). Essa entrevista foi motivada pela audiência que o papa concedeu a S. Excia. Mons. Fetlay - a pedido do próprio bispo - em Castelgandolfo no dia 29 de agosto de 2005 e que despertou grande curiosidade em muitos ambientes.

Para continuar lendo, clique aqui

Assis é compatível com a doutrina católica tradicional?
Fonte: Permanência
A Declaração "Dignitatis Humanae" é compatível com a doutrina católica tradicional?

A doutrina católica nos ensina que o primeiro dever da caridade não está na tolerância das convicções errôneas, por sinceras que sejam, nem na indiferença teórica ou prática ao erro ou vício em que vemos mergulhados nossos irmãos... se Jesus foi bom para os transviados e pecadores, não respeitou suas convicções errôneas por sinceras que parecessem; amou-os a todos para os instruir,converter e salvar.. São Pio X, Notre charge apostolique, 25 de outubro de 1910” (condenação do Sillon).

Para continuar lendo, clique aqui

Nenhum comentário: